Costumes e Heráldica

População: 19 000 habitantes (aproximadamente).

Actividades económicas: Indústria, comércio e serviços.

Festas e Romarias: Nossa Senhora de Fátima (durante o mês de Maio) e Procissão em Honra da Morte do Senhor.

Orago: Beato António.

Património: Paço Real de Enxobregas (Mosteiro Madre de Deus, Casa Pia de Lisboa e Palácio Marqueses de Nisa), Convento de Santa Maria de Jesus ou Paço Real Afonso III, Convento Grillo (Igreja Paqoquial de S. Bartolomeu Beato), Palácio Marqueses de Olhão, Palácio dos Duques de Lafões e Convento de S. Bento de Xabregas (Convento do Beato).

Outros locais: Mata da Madre de Deus e vilas operárias (Vila Dias e Vila Flamiano).

Área: 2,46 Km2

Brasão da Freguesia

Armas: Escudo de prata, águia de voo abatido, de vermelho, segurando no bico, por correias de negro, um tinteiro do mesmo; em chefe, roda dentada de azul, entre duas folhas de tabado de verde; campanha; campanha ondada de azul e prata, de três peças. Coroa mural de prata de três torres. Listel branco com a legenda a negro em maiúsculas: “BEATO – LISBOA”.

Autoria do Brasão e da Bandeira: Eduardo Lourenço Brito.

Simbologia:

  • A águia segurando um tinteiro: Representa a Ordem dos Lóios, porque foi famoso na freguesia, o Convento dos “Bons Homens de Vilar de Frades”, ou “Cónegos Azuis”, chamados Lóios, cujo símbolo era precisamente a águia segurando o tinteiro.
  • As folhas de tabaco: Invocam a antiga fábrica da Companhia dos Tabacos.
  • A roda dentada: Simboliza o passado industrial mais recente da freguesia.
  • A campanha ondada de azul e prata: Representa o rio Tejo, principal via de comunicação, escolhida pela industrias para escoarem os seus produtos.